Você se sente uma fraude? Saiba como se livrar desse sentimento em 10 lições

* Especial Lifetime para Vera Bellezza

Embora tenha produzido mais de uma dezena de livros, alguns icônicos da literatura americana do século passado, a premiada escritora Maya Angelou sentia que sua obra não era boa o bastante.

Albert Einstein muitas vezes se referiu a si próprio como “vigarista involuntário” porque achava que a atenção dada à sua obra era exagerada.

Esse tipo de sentimento que desvaloriza nosso potencial tem um nome: “Síndrome de Impostor” e, se atinge pessoas como Kate Winslet, Michelle Pfeifer e Emma Watson, o que dirá de nós, mulheres comuns?

A síndrome se manifesta naquela percepção de que tudo o que fazemos não é bom o bastante e que nossas ideias e habilidades não merecem atenção. É uma sensação constante e incômoda de insegurança que pode aprisionar nossas ações.

O problema se agrava porque, hoje, a gente está exposta a uma sobrecarga de referências e de pessoas que conseguem vender, com sucesso, uma perfeição inatingível em todas as áreas (pessoal, profissional) – e tudo serve como combustível para a ideia de que somos farsantes e a qualquer momento podemos ser descobertas.

Essa sensação se manifesta com mais ou menos intensidade dependendo do gênero, idade e profissão. Entre mulheres, como já era de se esperar, é bastante comum.

De onde vem esse sentimento tão frustrante? Como a gente pode superar ou aliviar a síndrome de impostor?

Talvez essas dicas ajudem um pouco:

1. Tente não se sentir tão importante: esse é o primeiro passo para deixar essa sensação ir embora. 

2. Quando se sentir uma fraude, diga para si mesma: “é a síndrome de impostor agindo”. Isso ajuda bastante. 

3. Pare de se comparar a outras pessoas, especialmente aquelas que vendem uma vida perfeita nas redes sociais. 

4. Não tenha medo de expor suas fraquezas. 

5. Admita suas falhas – errar não faz de você uma impostora.

6. A vida é curta: não passe todo seu tempo se privando de fazer coisas que você sempre quis com medo de parecer uma fraude.

7. A gente é capaz de mudar continuamente – lembre-se disso.

8. Reconheça seu potencial, explore suas possibilidades e limitações.

9. Converse com as pessoas sobre o assunto – ajuda bastante!

10. Tente extrair os pontos positivos de tudo que acontece ao seu redor: essa atitude vai lhe ajudar em tudo daqui pra frente. 

E lembre-se: a síndrome de impostor não é doença nem está relacionada a depressão, ansiedade ou autoestima.