Viver mais e melhor

“Aquela pessoa envelheceu bem!” “Ela soube valorizar os anos que tem…” Quem já não fez esse tipo de consideração ao observar quem se cuidou e se manteve bem com o passar do tempo? Realmente, saber enfrentar a realidade do tempo que não para vem se tornando uma das grande metas desse milênio, em vários sentidos. Afinal, o envelhecimento da população é um fenômeno e uma realidade mundial. A conta que leva aos 2 bilhões de idosos até 2050 é simples: o aumento da expectativa de vida somado à redução da taxa de natalidade. E o Brasil faz parte dessa estatística, claro. Essa ‘nova’ leva de pessoas “jovens há mais tempo” não só tem gostos como necessidades bem específicas, como aponta o Caderno de Tendências de 2019-2020 da ABIHPEC. Tanto é que já existem, por exemplo, cosméticos criados especialmente para a pele de quem está na menopausa. Não é balela, frescura ou jogada de marketing: é pura necessidade! Siga lendo para entender.

Vera Golik e Shâmia Salem

A longevidade é o novo ouro. Segundo um estudo da revista médica The Lancet (Vol. 385), em 2015 já passamos de 900 milhões de idosos no mundo e a previsão é de que, em 2050, sejamos um planeta com mais de 2 bilhões de pessoas acima dos 60 anos. Como quem está envelhecendo quer que isso aconteça da melhor maneira possível, não param de surgir produtos com a promessa de ajudar a tornar esse desejo possível. Não poderia ser diferente. Afinal, envelhecer bem é a grande meta para essa população que quer se manter um consumidor consciente, conectado, atual, ativo e interessado, como aponta o Caderno de Tendências 2019-2020 da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), produzido em parceria com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Na prática, significa que preservar a saúde e a autonomia e, consequentemente, ter uma aparência que reflita esta condição é prioridade para quem busca viver mais e melhor. “Para atingir esse consumidor, os cosméticos têm de se concentrar na promessa de oferecer uma aparência saudável em todas as fases da vida, e não em fazer o tempo voltar atrás”, resume a consultora de tendências do consumidor da Euromonitor International, Daphne Kasriel-Alexander. Ou seja, não estamos falando apenas de eliminar rugas.

Cuidados sob medida

As mudanças físicas e fisiológicas que a pessoa passa ao longo da existência têm inspirado a criação desses produtos de alta performance. Várias marcas já estão trabalhando, por exemplo, em cosméticos especificamente formulados para a pele da mulher madura, em processo de menopausa, de acordo com um levantamento do Caderno de Tendências da ABIHPEC. É o caso das inglesas Phytomone e Form Lab. Essa última lançou a linha Stratum C, elaborada com ativos para repor o colágeno e hidratantes potentes, mas próprios para a pele sensível, típica dessa fase.

Porém, não é só a sensibilidade que desponta após a última menstruação, o que geralmente acontece entre os 45 e 50 anos. “Principalmente pela diminuição da produção do hormônio estrógeno, há uma queda acentuada da elastina, aquela fibra responsável por dar elasticidade à pele. Pelo processo natural de envelhecimento, ainda há uma redução da produção do colágeno, que assegura a firmeza. Como consequência, a pele fica mais flácida, fina, desidratada e, por isso, com vasinhos aparentes e suscetível a irritações e ressecamento mesmo que ela tenha sido mista ou oleosa na juventude”, diz a dermatologista Sara Bragança, do Rio de Janeiro. “As mudanças hormonais ainda podem deixar o rosto inchado e sujeito ao aparecimento de manchas”, completa a médica.

Soluções, e das boas

Diante da menopausa, ou, melhor ainda, antes dela chegar, a primeira recomendação é rever seu nécessaire. “O ideal é que seus produtos sejam altamente hidratantes, ricos em ativos antioxidantes e que ajudem a dar mais densidade e regenerar a pele. Só assim para ela se proteger contra a ação dos radicais livres gerados pelo estresse, pela poluição e demais agentes agressores que degradam o colágeno e a elastina, favorecem a desidratação e prejudicam a barreira de proteção natural da pele. Entre os melhores ingredientes para ter esses benefícios estão as vitaminas B13, C e E, os peptídeos, o resveratrol e o ácido hialurônico. Procure-os no rótulo”, diz a dermatologista Kédima Nassif, de Belo Horizonte (MG), que lista outras atitudes importantes a serem tomadas:

••• evite tomar banho muito quente, para não ressecar ainda mais pele;

••• fuja da exposição solar excessiva; e, mesmo que vá pela sombra, use protetor solar;

••• respeite suas horas de sono, porque é à noite que vários processos metabólicos acontecem e a pele também se recupera das agressões que ocorreram durante o dia;

••• não esqueça de beber água, porque a principal hidratação acontece de dentro para fora; os hidratantes são excelentes para ajudar a mantê-la, mas não fazem milagres em quem não se hidrata tomando água corretamente e em boa quantidade.

••• reveja maus hábitos, como:

fumar, já que o cigarro – além de todos os malefícios para a saúde, já tão conhecidos – também detona o colágeno e a elastina.

beber demais – assim como o cigarro, esse mau hábito faz muito mal a saúde e, neste caso em especial, o álcool em excesso deixa a pele ressecada, avermelhada e inchada.

ingerir muito doce, afinal, o açúcar é outro que acelera o envelhecimento.