Pele Saudável – Operação Detox!

Não foi só o sucesso das dietas, dos chás e dos sucos purificadores que fez os cosméticos detox e antipoluição virarem tendência. Mas também, e mais importante, o fato da brasileira entender que os cuidados pessoais têm muito mais a ver com a saúde e o bem-estar do que com a vaidade. Isso explica porque máscaras, protetores solares, hidratantes e demais produtos de beleza com apelo de combater as micropartículas de poluentes dispersas na atmosfera passaram da lista de supérfluos para a de necessidades básicas – uma atitude esperta e de amor próprio que você também vai querer adotar, se é que já não adotou.

Por Vera Golik e Shâmia Salem

Inteligente que é, o organismo possui um sistema próprio para eliminar toxinas. Tanto as que ele mesmo produz, durante a digestão, por exemplo, quanto as que o afetam por meio de agentes externos, caso do ar poluído. Esse processo, chamado detoxificação, é feito pelo fígado, pelos rins, pelo intestino e por meio do suor. Tudo seria perfeito se não fosse a sobrecarga tóxica a que estamos expostos diariamente. De acordo com o Caderno de Tendências 2019-2020 da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), produzido em parceria com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), pesquisas científicas realizadas nos últimos dez anos vêm apontando as micropartículas de poluentes dispersas na atmosfera, principalmente aquelas geradas pela queima de combustíveis, como extremamente nocivas para a pele. Sabe-se hoje que os hidrocarbonetos provenientes dessas partículas encontram receptores nas células da epiderme e que, quando o link entre eles ocorre, uma cascata oxidativa é desencadeada. E especialmente para a pele oxidação é sinônimo de envelhecimento. “Esses estudos comprovaram que a poluição acelera o envelhecimento ainda mais do que a gente imaginava. Daí ela ser alçada à posição de uma inimiga que merece tanta atenção e cuidado quanto sol, cigarro e estresse”, alerta a médica Valéria Campos, de Jundiaí (SP), especialista em dermatologia e laser pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Cosméticos-soldados

Para entender melhor o poder destrutivo da poluição, vale saber que a intoxicação que ela provoca nos tecidos dificulta a circulação periférica da pele, diminuindo a oferta de oxigênio e nutrientes para as células, e altera a barreira de proteção cutânea e o metabolismo celular, o que contribui para a formação de radicais livres. Esses, por sua vez, degradam o colágeno e as fibras elásticas, acelerando o envelhecimento. O acúmulo de poeira, fuligem e fumaça ainda obstrui os poros, o que leva ao aumento da oleosidade, da acne e dos pontos pretos, especialmente na testa, no nariz e no queixo, a chamada zona T.

Tamanho caos explica as duas novas frentes de atuação da indústria cosmética, apontadas no Caderno de Tendências 2019-2020 da ABIHPEC: a primeira, oferecer sabonetes, loções e géis de limpeza mais eficientes no combate e remoção das micropartículas de poluição; e a segunda, criar hidratantes e tratamentos variados que impeçam a adesão dessas micropartículas e, consequentemente, evitem a sua ação nociva. Para isso, a estratégia das empresas de beleza foi agregar às formulações, ativos antioxidantes que mesmo que não atuem diretamente no combate à poluição, podem ajudar a tornar as células da pele mais resistentes a seus efeitos nocivos. O novo boom da vitamina C em tratamentos faciais se relaciona, em grande parte, a essa questão. O mesmo acontece com a utilização de extratos de chá verde, chá branco, berries em geral e outras substâncias antioxidantes mais exóticas, como o extrato de íris.

Foco na beleza com bem-estar

A conscientização cada vez maior de que saúde e beleza andam de mãos dadas fez surgir novas demandas de mercado e a indústria reagiu com a criação de linhas de combate aos efeitos da poluição.

E, segundo a ABIHPEC, o consumidor tem respondido positivamente a essas ofertas. Ou seja, as pessoas estão cada vez mais atentas, exigentes e preocupadas com a beleza que agrega saúde e bem-estar. A dermatologista Valéria Campos concorda. “Principalmente quem mora em grandes metrópoles está interessado em usar produtos com apelo detox e efeito antipoluição. Minhas pacientes, por exemplo, adoram filtro solar com antioxidantes na fórmula, escolhem máscaras com carvão ativado, o mesmo que é usado para purificar água e ajuda a limpar ainda mais a pele, preferem sérum e cremes com vitamina C. Elas também sabem que é essencial caprichar na higiene, afinal, elas aprenderam que as toxinas da poluição são lipossolúveis, ou seja, penetram na pele através da própria oleosidade cutânea”, lembra a médica.