Joia Rara

Lindas joias e semijoias, feitas a partir dos desenhos originais das pedras brasileiras. Design exclusivo, peças únicas, formas orgânicas, inusitadas, verdadeiras obras de arte que dizem muito de quem as cria, assim como enfeitam e revelam quem as usa. Assim são as criações da ‘Pourquoi?!’. Conheça mais sobre a história de Ana Carolina Duarte Queiroz, a arquiteta mineira que descobriu sua grande paixão, criando uma grife de belos acessórios e – o melhor – muito acessíveis.

Por Vera Golik

O encontro com a Ana aconteceu por intermédio de uma amiga em comum, a Poranga Miranda. Ela me disse: “Você tem que conhecer a Ana Carolina e as peças que ela faz. Têm muito a ver com você e com o conceito de VERA BELLEZZA“. Pura verdade. Fui ao seu encontro em um endereço muito particular nos Jardins, em São Paulo. Porque particular? Logo na entrada, uma residência da época dos belos casarios da Av. Paulista, que hoje abriga um café e uma livraria. Mais ao fundo uma construção futurista com um inusitado planetário e uma biblioteca. Mais alguns passos e o caminho me leva até um prédio de arquitetura ultra moderna. Aqueles contrastes já me agradaram.

Ana Carolina Duarte Queiroz

Logo Ana chegou e subimos até seu escritório – lindo e bem planejado. Conversando com essa jovem mineira, elegante e muito simpática, fui me apaixonando pelo seu jeito de ser e também por seu trabalho.

A primeira pergunta que fiz foi: “Porque ‘Pourquoi?!’” Sorrindo, Ana explicou, que “essa é a inevitável pergunta que sempre me fazem, logo de cara”. ‘Pourquoi?’ (porque?, em francês) tem uma história. Assim como tudo que envolve essa marca que está nascendo e tem tudo para ser um sucesso. “O nome surgiu justamente quando eu morei em Paris e pensei porque não? Era para ser ‘Pourquoi pas’. Estava mudando o curso do meu trabalho e tive que ter coragem para seguir meu instinto. Então, ‘Pourquoi?’ e porque não? Pourquoi pas?”

A origem mineira

Pedras brasileiras e nossa rica e amada Minas Gerais. Uma relação íntima que está no DNA da Pourquoi?!

“Eu não sabia de onde vinha meu fascínio por pedras e por acessórios em pedras. Até que, em 2016, retornei à Diamantina, minha cidade natal”. Nessa viagem, de volta às origens, a arquiteta Ana Carolina Duarte Queiroz foi não apenas visitar os parentes, mas se deixou levar pelas emoções e memórias de sua infância. “Estava na casa da minha tia e notei na parede um quadro com pedras aplicadas. Naquele instante uma sensação de nostalgia me invadiu. Lembrei de quando era criança e olhava muito curiosa para a bancada de trabalho do meu avô, com todos aqueles potinhos cheios de pedriscos de muitas cores. E o filme continuava passando em minha cabeça: lembrei dele escolhendo as cores e formas e fazendo com que cada pedra preenchesse um espaço. De repente, como mágica, a paisagem colorida e tão real se formava. Era lindo! Na época eu não entendia porque aquilo me encantava tanto, mas hoje sei que fazia parte de mim, era um retrato puro de toda nossa brasilidade, da minhas raízes, de nossa cultura”.

Bracelete Bossa com pedra Olho de Tigre com metais puros

Ana, quando pequena adorava acompanhar o avô, Geraldo Dirceu Duarte, e ficar ao seu lado vendo-o trabalhar, posicionar e aplicar sobre telas de vidro, as pedrinhas de todos os tamanhos, formatos e cores, respeitando suas identidades, para que juntas formassem lindos desenhos – singelas cenas do cotidiano e da arquitetura mineira. “Eram as paisagens da minha história”, lembrou Ana. “Essa lembrança e as emoções que brotaram me fizeram entender de onde nasceu meu interesse pelas pedras brasileiras. Era como uma volta no tempo, um misto de boas memórias e saudosismo da minha época de criança em Diamantina, no interior de Minas Gerais”.

Arquiteta de formação, Ana Carolina sempre sentiu uma forte atração pelas pedras e metais brutos. Todo o rigor de sua formação acadêmica, o requinte ao viver em outros países e conhecer outras culturas não a afastaram de suas origens. Apenas reforçaram e deram ainda mais sentido à sua vocação e a valorização da energia e pureza dos materiais e das formas que nasciam da sua terra.

Isso é fácil de ver em cada uma de suas criações.

Mudança de rumo

Esse momento revelador a fez redirecionar sua carreira. Ela continua a exercer seu papel de forma muito competente como arquiteta e design de interiores, porém ampliou sua atuação – e está cada vez mais focada – no que seu instinto e sua veia artística a direcionam. Depois de passear pelo universo da moda (outra de suas paixões), criando peças exclusivas com retalhos de tecidos muito especiais vindas de uma famosa confecção da família, finalmente se encontrou criando os acessórios que tanto a completam. No final de 2017, começou a desenhar suas peças lançando sua primeira coleção de joias em 2018.

A Coleção ganhou o nome de “Bossa”, inspirada na bossa nova. Nela, Ana trabalhou metais e pedras em sua forma mais pura, livre de qualquer tratamento. “Usei apenas um verniz para bloquear a oxidação e garantir a qualidade e durabilidade das peças, o que sempre foi muito importante para mim”, contou Ana.

A alma das pedras

Esse foi o primeiro passo para definir a identidade da marca. Nas coleções seguintes ela se preocupou sempre em manter a forma pura e bruta das pedras. “Dos desenhos criados pela própria natureza eu desenvolvo a peça, somando banhos de ouro, prata, ródio ou outros acabamentos e metais que combinem com o que a pedra pede”, revela a artista. “Para mim, o mais importante é preservar a ‘alma’ da pedra, respeitar seu shape natural. A maior parte das nossas peças são criações únicas, todas feitas uma a uma, à mão, artesanalmente”. Vendo e experimentando as peças parece que são elas que escolhem você. Sempre tem um colar, um anel, um choker (gargantilha), um pendente… que ficará perfeito em você. É a sua alma encontrando com a alma da pedra – e da artista, é claro.

Produzindo encantamento

Desde a escolha da pedra, passando pelo desenho até chegar ao atelier do ourives, que trabalha seguindo as orientações de Ana Carolina, e depois ao mostruário, cada peça é produzida por um caminho único, sempre respeitando a forma e estado puro da pedra, sua personalidade e levando em conta a energia que ela transmite.

“Nosso trabalho é muito prazeroso. Vivo em uma busca constante por criar acessórios exclusivos, elegantes, diferenciados, com identidade brasileira, que façam nossas clientes se sentirem femininas e lindas”, frisa Ana.

Bracelete e Anel line com pedra Mica Estrela e banho de ouro 18k

É real. Eu experimentei as peças e me senti poderosa. Queria uma de cada. Em especial as que pareceram ter sido feitas para mim. Fiquei curiosa para saber os preços, já que o processo era tão exclusivo, único, feito à mão. E aí, uma nova surpresa. As peças tem um preço justo e são muito acessíveis. Para se ter uma ideia de valores, vão de R$ 150,00 a R$ 740,00.

Ana resumiu perfeitamente a essência de sua criação: “Produzimos peças fortes, para encantar e impressionar não apenas quem as escolhe, mas também quem as observa. Queremos que a compra das peças também seja um momento especial. Acontece em dias e hora marcados, quando transformo meu escritório num show room. Nossas clientes saem daqui se sentindo únicas, ainda mais confiantes e atraentes. Sim, nosso desejo é que cada pessoa que use qualquer uma das peças Pourquoi?! se sinta encantadora e seja notada por onde passar.

Veja aqui algumas das peças da Pourquoi?! e encante-se! Leia a legenda completa de cada foto clicando sobre a imagem. E conheça mais sobre a produção da Pourquoi?! no Instagram da marca (o link segue abaixo). Você vai se apaixonar! Porque não?


Serviço

Visite a página da Pourquoi?! no Instagram

Para marcar uma visita com hora marcado, ligue: 11 96787-1979.

Endereço: Rua Pamplona, 145, conjunto 405, Jardim Paulista, São Paulo.