Em paz com os brancos

Por Vera Golik e Shâmia Salem

Claro que aceitar o cabelo branco ainda está longe de ser algo tranquilo para a brasileira. Porém, começam a surgir mulheres, principalmente no grupo adulto+, de maiores de 60 anos, que decidem assumir “a experiência” como uma escolha pessoal, o que tem colaborado para que o visual deixe de ter conotações negativas, como desleixo ou velhice, para ser associado a um estilo de vida.

A personalização da beleza e o desejo de ter uma aparência saudável já são apontados como movimentos globais no Caderno de Tendências 2019-2020 da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) produzido em parceria com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Diante dessa nova ordem, de ser bonito do seu jeito, a liberdade para assumir um estilo próprio ganha cada vez mais força e tem estimulado a mudança de comportamento dos mais diversos perfis de consumidores, inclusive da turma dos 60+. Onda dos fios prateados –– silver tsunami –– à vista, anuncia a ABIHPEC, com base no fato de que essa faixa etária cresceu 50% em uma única década no Brasil e tende a continuar crescendo devido à maior expectativa de vida e à redução no número de nascimentos. Para ter uma ideia desse contingente, hoje o país tem 26 milhões de idosos, que somarão 37,9 milhões em 2027, segundo previsão do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Essa onda já foi sentida pelo cabeleireiro Marcelo Brito, do salão Studio Lorena, em São Paulo, que no início não levou a sério quando uma de suas clientes mais vaidosas, com 55 anos de idade, avisou que iria assumir os brancos. Ele tinha certeza de que ela desistiria assim que a raiz começasse a “gritar”, pelo contraste com o comprimento tingido. “Me enganei redondamente! Ela estava tão convicta daquela decisão, além de estar cansada de ter que bater ponto no salão de 15 em 15 dias para fazer os retoques, que resistiu firme e forte ao período de crescimento, que não é nada fácil e leva cerca de um ano e meio, fazendo cortes regulares e usando bons cosméticos. Hoje, com a cabeça 100% branca, ela está feliz da vida e, para a minha surpresa, diz que se sente ainda mais motivada a cuidar do cabelo e do rosto e a se maquiar, já que a pele bonita ajuda a reforçar o aspecto saudável que ela deseja passar”, conta o profissional.

Novos cuidados especiais

Vale lembrar que quem decide assumir os brancos não pensa em deixar de cuidar dos cabelos. Pelo contrário. “Oferecer uma aparência saudável é o benefício que esse consumidor mais deseja dos produtos de cuidados pessoais”, afirma a analista de beleza e personal care, da Euromonitor International, Ildiko Szalai.

Concorda com ela o cabeleireiro Marcelo Brito. “Como o fio tende a ficar rebelde e amarelar, é preciso acertar as linhas do corte a cada dois meses, em média, fazer hidratação profunda e usar cosméticos específicos em casa para deixa-lo amolecido, macio, com brilho, bom caimento e uma tonalidade ‘limpa’. Regra geral, recomendo alternar o uso de xampu hidratante com xampu silver, também chamado de desamarelador, aplicar máscaras e ampolas nutritivas e leave-in”, lista ele, que lembra ainda que o mercado já disponibiliza retocadores de raiz temporários, que saem com água e xampu, em versão spray e stick para quem deseja disfarçar os brancos até que eles cresçam e possam ser assumidos de vez.

Veja uma seleção de bons produtos para manter os brancos lindos que Vera Bellezza fez na sessão Nós Amamos.