Couro cabeludo saudável = fios lindos!

Verdade seja dita, a gente se preocupa tanto em deixar os cabelos bonitos e fazer de tudo para que não deem muito trabalho para arrumar no dia a dia, que muitas vezes esquecemos de dar a devida atenção ao couro cabeludo. Um erro, já que, mesmo uma simples coceirinha pode ser sinal de que os fios podem estar em risco. Veja a seguir uma série de dicas para preservar a saúde do couro cabeludo e a beleza dos fios.

Vera Golik e Shâmia Salem

Você já sabe que a nutrição dos fios de cabelo vem do couro cabeludo. Ou seja, a forma como você cuida dele tem reflexo imediato na aparência e na saúde dos fios.
Aproveite as dicas da dermatologista e tricologista Kédima Nassif, de Belo Horizonte (MG), que lista a seguir os principais cuidados para você manter o couro cabeludo saudável e, consequentemente, a beleza dos fios.

 

É preciso lavar a cabeça com frequência

Foi-se o tempo que até os cabeleireiros recomendavam que a gente não lavasse tanto o cabelo, para evitar que ele ressecasse. “Felizmente, hoje já se sabe que a hidratação dos fios é resolvida com bons produtos; e que a higienização do couro cabeludo realizada diariamente ou pelo menos a cada dois dias é fundamental para combater o acúmulo de oleosidade e de células mortas, que aumentam a proliferação de micro-organismos causadores de irritação e coceira no local”, diz a dermatologista Kédima Nassif.

Mesmo nos dias mais frios, tome banhos mornos e rápidos

“A água quente remove alguns dos óleos naturais que têm como função a proteção do couro cabeludo, que acaba ressecando e ficando mais suscetível às agressões externas. Daí, para se defender, a pele da região provoca o chamado efeito rebote, aumentando a produção de oleosidade no local e levando ao aparecimento de dermatite seborreica, que tem como principais características a descamação e a vermelhidão”, esclarece a médica. Geralmente, o simples fato de regular a temperatura da ducha e acelerar o tempo debaixo do chuveiro já são suficientes para resolver o problema. Se as medidas não resolverem, então é preciso procurar um especialista.

Verifique o rótulo dos produtos antes de aplicá-los no cabelo

Alguns ingredientes podem ressecar o couro cabeludo e, como consequência, fazê-lo coçar e descamar. Geralmente isso acontece com cosméticos formulados com sulfato de sódio, que é bastante usado em xampus para criar espuma e promover limpeza de maneira semelhante à realizada pelo detergente de lavar louça. “Também é importante ficar atenta aos silicones não solúveis, já que eles formam uma película sobre a pele que sufoca o couro cabeludo, piorando a coceira”, complemente a doutora Kédima.

Capriche no enxágue dos fios

Depois de aplicar o xampu e o condicionador, lavar bem a cabeça, é preciso remover todos os produtos do cabelo e do couro cabeludo. Caso contrário, os resíduos que se acumularem não só vão deixar o cabelo opaco, pesado e sem movimento como podem irritar a pele do couro cabeludo e criar um ambiente propício para o desenvolvimento de fungos, os tais que causam coceira.

Mesmo no verão, não durma com o cabelo molhado

“Além do fio molhado ficar mais frágil e suscetível à quebra pelo atrito com o travesseiro, a umidade favorece o aparecimento de dermatite seborreica e coceira”, resume a dermatologista.

Deixe seu cabelo respirar

O suor excessivo é outro fator que pode irritar o couro cabeludo. “Quando transpiramos, o corpo produz uma substância chamada cloreto de sódio, que pode obstruir os folículos, aquela ‘bolsinha’ onde os fios nascem, e, com isso, favorecer a queda, a inflamação e o ressecamento do cabelo. Por conta disso é que quem transpira demais precisa redobrar os cuidados com a higiene dos fios e também evitar o uso de qualquer coisa que abafe o couro cabeludo, como boné, chapéu e peruca”, recomenda a tricologista. Ela completa: “Se mesmo tomando esses cuidados a coceira não parar, é preciso consultar um médico para avaliar e diagnosticar o problema, que ainda pode estar relacionado a doenças como foliculite, dermatite de contato, micose ou psoríase. O tratamento de cada um varia e somente um especialista pode indicar o procedimento ideal para cada caso”.