A onda do co-wash

Na esteira das mudanças estimuladas pelo empoderamento feminino está o crescente sentimento de aceitação e orgulho de ser quem você é. E essa liberdade de se assumir atingiu o cabelo, claro. Afinal, trata-se de um dos símbolos máximos de feminilidade. Na prática, a ordem é: se você quiser alisar os fios, tudo bem; se quiser enrolar, tudo bem também. O negócio é se sentir bem e feliz do seu próprio jeito. Como muita gente resolveu mostrar a raiz ondulada, surgiu a demanda por cosméticos específicos, sendo que um dos campeões de preferência, segundo o Caderno de Tendências 2019-2020 da ABIHPEC, são os indicados para co-wash. Sabe aquela ajeitada que a gente dava nos fios, molhando de leve os cabelos sem precisar lavar de novo a cabeça? Pois é, o co-wash chega justamente para que você possa fazer isso, com a vantagem de agregar algum ingrediente de tratamento nesse gesto… Descubra mais sobre esse movimento…

Vera Golik e Shâmia Salem

Na onda de cada um se gostar do jeito que é – sem seguir estereótipos – nós mulheres ganhamos muito. Isso acontece com diversas características de nossa aparência – tom da pele, estatura, medidas, peso, e claro, afeta diretamente nosso cabelo também. Em vez de nos sentirmos obrigadas a seguir determinados padrões de beleza e a transformar a forma e a textura dos fios para copiá-los, estamos cada vez mais estimuladas a descobrir quais as características que são só nossas e aí sim, cuidar bem dos cabelos para ficarmos em paz com nossas imagens, e nos sentirmos únicas, belas e felizes. Sinais desses novos tempos existem, e aos montes: no ano passado, por exemplo, as passarelas da Paris Fashion Week foram tomadas por modelos com fios cacheados e volumosos; o Google mostrou que em 2017 a busca por ‘cabelo cacheado’ superou pela primeira vez a busca por ‘cabelo liso’ no Brasil e o interesse por ‘cabelos afro’ cresceu 309%. Nas ruas esse fenômeno se repete – basta dar uma voltinha no shopping ou até mesmo ir à padaria da esquina de casa para confirmar.

Como um novo visual traz novas necessidades, surgiu a demanda por cosméticos que oferecessem hidratação, definição dos cachos e controle do frizz. Atendendo a todos esses requisitos, surge o co-wash, nome dado à técnica norte-americana de lavar a cabeça apenas com condicionador, (método que quem tem cabelo crespo ou cacheado sempre usou, dando aquela molhadinha básica nos fios para deixar na forma desejada). Enfim, o co-wash virou paixão nacional também aqui no Brasil. E é aí que, segundo o Caderno de Tendências 2019-2020 da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), produzido em parceria com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), as prateleiras foram invadidas por produtos com alto poder de hidratação, mais suaves e sulfato free.

Beleza traduzida

O cabeleireiro Eron Araújo, de São Paulo, que está lidando com essa febre em seu lavatório, explica que co-wash é uma abreviação de conditioner washing, ou lavagem com condicionador. E ele confessa: “Adoro essa ideia, de dispensar o xampu e ficar só no condicionador, porque o cabelo cacheado fica mais macio, com um volume bonito e as ondas definidas. Mas claro que não dá para viver assim para sempre, porque xampu é fundamental para eliminar a sujeira, que deixa o fio pesado, fraco e sem brilho. Na prática, dá para pensar em intercalar uma lavagem com xampu e outra sem, apenas com condicionador, desde que os fios não estejam sujos e oleosos”, sugere ele.